Topshop no Brasil…e daí?

A notícia de que vai abrir uma loja da britânica Topshop em São Paulo se espalhou há 5 dias atrás, e, com isso, chamadas do tipo “Preparem-se Meninas!” ou então “Finalmente!”. Mas na real, pela experiência que temos de viver no Brasil, que diferença isso vai fazer? Nenhuma.

Claro que a Topshop é uma rede de muito sucesso por diversos motivos, e um deles são suas parcerias, como as coleçãos da modelo Kate Moss ou da ótima coleção da estilista grega Mary Katrantzou.

E o que que a gente mais gosta nas redes de fast-fashion? Muita variedade por preço baixo, não é? Especialmente das redes gringas como a Topshop, H&M, Forever 21 e Zara, que fazem muitas coisas diferenciadas com preço baixo. Quer dizer, preço baixo só se for lá fora.

Foto: reprodução. Kate Moss para Topshop

As lojas de departamento definitivamente não têm como público alvo a classe A, sua proposta é outra. Elas confecionam muitas coisas na China a custo mínimo e copiam muitas peças de estilistas famosos, de modo que o produto não tem necessariamente qualidade, mas é ótimo em design.

Entre as redes fast fashion, a Topshop não é das mais baratas mesmo, mas ainda assim, seu foco é atingir uma massa de consumidores, ou seja não é exatamente para o público A. Ao contrário do que será no Brasil, já que a primeira loja da rede será no Shopping JK Iguatemi, localizado em área nobre da cidade de São Paulo.

Foto: reprodução

Os preços aqui no Brasil parece que vão variar de R$200 a R$900. Tem como pagar isso em uma peça a qual o conceito fast-fashion é “live fast, die young“? Parece que esse tipo de notícia nos dá uma falsa alegria.

A Topshop completa em 2012 dez anos de apoio à London Fashion Week e com isso criou algumas parcerias para comemorar, entre elas um video feito pelo fotógrafo lendário, Nick Knight, que pode ser visto aqui:

Por um lado nos animamos por uma loja de roupas muito legal e supostamente barata estar perto de nós agora. Pensamos que estaremos mais próximas às meninas gringas que têm a sorte de poder comprar roupas legais por preços mais baixos. Aí tentamos ver a novidade mais de perto e percebemos que continuamos muito distantes dessas realidade.

Se a culpa são dos impostos, do governo, da cotação do dólar ou do povo brasileiro que não se importa de pagar R$2000 em um celular, é algo que não acho que eu deva me ater. A única conclusão é: Topshop no Brasil, e daí?

Mix de estampas sem medo de ser feliz!

Pra quem sai da caixa e investe em produção interessante, tem como retorno sorrisos e conversas sem fim. E produções interessantes, na maioria das vezes, vem com cores, formas, texturas e … estampas! Uma estapinha só já é capaz de levantar o humor, imagina misturar!
A proposta aqui não é um post sobre “look do dia”, apenas vou apontar algumas direções pra quem quer experimentar.

Temas diferentes
Por ser super amplo, o universo da estamparia pode ser explorado de acordo com personalidade, humor e ocasião.  Floral com xadrez, floral com listras, estampa de bicho em uma peça de roupa e em acessórios, gráficos com abstratos.

Estampas diferentes, cores iguais
Pra facilitar, junte tudo nas mesmas cores: listras azul e branco com bolinhas azul e branco. E nem precisa ser blusa estampada + short estampado. Pode optar por misturar a blusa com o lenço ou outro acessório para complementar a produção e a parte de baixo lisa pra “acalmar”.

Tudo claro, tudo escuro
Optar por tons claros ou escuros: Estampas em preto com marinho, azul claro com cinza claro Ou simplesmente escolher estampas em tons diferentes para criar produções monocromáticos e elegantes.

O mix de estampas tem bem menos mistérios do que parece. O importante é que uma tenha mais destaque que a outra e que quem olhe não fique atordoado com o que vê.

fotos: reprodução

 

fotos: reprodução

Mary Katrantzou para Topshop

Mary Katrantzou é uma das estilistas que no momento mais arrisca em mix de estampas que assim como as mesmas, são lindas e harmoniosas. Esse mês será lançada sua coleção pra a Topshop.

fotos: reprodução

E ai, deu pra se inspirar?